Sincopado: Michael a jogar noutra League


Snarky Puppy já são conhecidos dos portugueses, mas o nome Michael League talvez possa passar ao lado de alguns dos fãs mais fanáticos. Para além de baixista e fundador da banda é, também compositor, arranjador, songwriter e produtor de artistas como Esperanza Spalding, Kirk Franklin ou Jacob Collier.

de Cristina Rogeiro



Este ano, durante a quarentena na sua nova casa em Espanha, deu o seu maior passo como artista e lançou o primeiro disco a solo pela GroudUpMusic.


So Many Me é uma viagem introspetiva e um one man show, desde as vozes ao baixo, a guitarra acústica  às percursões polirítmicas marroquinas, turcas ou curdas. Se fosse tocado ao vivo com todos os instrumentos que foram gravados teríamos dez Michael’s em palco, tornando o título do disco bastante literal.


É um um projeto a solo que não soa a solo. As vozes cheias de ar são especialmente densas e, combinadas com o sintetizador, o som de baixo do moog e toda a percussão criam texturas muito pouco comuns na música pop (este não é certamente um pop comum). O objetivo de Michael league era juntar tudo o que gosta mas sem ser barulhento e conseguiu fazê-lo da melhor forma possível.


Os seus skills de produtor que o permitiram compor um disco praticamente sozinho já eram conhecidos, mas neste projeto destacam-se os momentos vulneráveis presentes especialmente nas letras. Estando habituado a trabalhar sempre numa equipa, este foi um processo de vez em quando desconfortável para o músico, no entanto isso fez com que sentisse estar a caminhar para o lado certo.

É uma observação da humanidade como indivíduo e coletivo, passando por temas sociais e outros bastante pessoais. Mas melhor do que falar deste disco, é ouvi-lo do início ao fim, sem interrupções.