Pela Estrada Fora - Olhão


O povo olhanense revela-se, por isso, um povo de garra, tradições e devoções! Um povo eternamente inconformado e com uma insaciável sede de mais e melhor! Que bom que é ser-se olhanense!


Crónica de Beatriz Bartolomeu

Estudante de Direito, FDUL



Comemora-se hoje o dia de Olhão: Olhão da restauração. Por estes dias, há cerca de 200 anos, um grupo de Olhanenses com recurso a forcados, fisgas, besteiros, paus, pedras e outras maravilhas bélicas da mesma categoria, revoltou-se contra os Franceses e restaurou a independência no Reino do Algarve.


Vivia-se em junho de 1808 um período de invasões napoleónicas. Um período que afetava a Glória, Esplendor e Orgulho portugueses. O povo olhanense - que vivia da pesca - desde sempre muito devoto e patriota, viu nas invasões uma afronta que não iria de modo algum tolerar: estavam dispostos a todo e qualquer perigo contando que se salvasse o reino.


O poderio do exército Francês não os intimidou - deu-lhes antes mais ânimo! Assim, munidos da mais forte de todas as armas, a Vontade, avançaram com tudo o que tinham contra as tropas Francesas. Homens e mulheres, novos e velhos, uniram-se e com tudo o que tinham atacaram os invasores. Esta foi a primeira revolta popular bem sucedida contra o exército de Napoleão.


O povo olhanense revela-se, por isso, um povo de garra, tradições e devoções! Um povo eternamente inconformado e com uma insaciável sede de mais e melhor! Que bom que é ser-se olhanense!


Por estes dias de calor, Olhão é um paraíso imperdível! Situado na Ria Formosa, oferece um turismo de qualidade irrepreensível. São de destacar as praias de água límpida e quente, a gastronomia de excelência com peixe e marisco frescos, os mercados de Olhão - que vendem os melhores produtos locais - e ainda a rota das lendas, um caminho pelo centro histórico da cidade acompanhado de narração de mitos da zona.


A cidade dispõe de acesso às ilhas - da Armona, da Culatra e do Farol - que são autênticas pérolas de beleza incomparável, situadas na Ria Formosa. É possível passear de barco, ver golfinhos e usufruir de grandes areais, bastante aptos para garantir uma distância e privacidade entre banhistas, o que no tempo em que vivemos se afigura, mais que nunca, um fator a considerar.


Sendo um povo de raízes piscatórias é também possível assistir a estas artes. Recomendo o cruzeiro pela ria, uma viagem a bordo de um barco onde é possível degustar ostras e tomar uma bebida, enquanto se passeia pelos canais e se observa a fauna e flora desta zona do Algarve.


Mercados de Olhão

Convido-vos a visitar esta cidade sob o compromisso de que encontrarão um serviço de qualidade e distinção e um povo hospitaleiro, simpático e peculiar.... Temos muito gosto em receber-vos nas terras de Olhão!