Bica Curta - Lar, doce lar

Cartoon "Bica Curta" de Teresa Fernandes

Estudante de Design de Comunicação na FBAUL









A violência doméstica é um assunto sério e, nos últimos tempos, por culpa do confinamento, o problema agravou-se.


Os especialistas da ONU chamam à violência doméstica “a epidemia escondida” e os números são alarmantes. Segundo uma notícia avançada pelo Público no dia 19 de Abril "249 milhões de mulheres e raparigas dos 15 aos 49 anos foram vítimas de violência nos últimos 12 meses, diz a ONU – e subiram em tempos de confinamento.". Da mesma fonte sabemos que "em França, a violência doméstica aumentou 30%; na Argentina, os pedidos de ajuda subiram 25% e pelo menos seis mulheres foram assassinadas desde o início do confinamento; no Brasil aumentou entre 40% a 50%; (...) no Reino Unido houve uma subida de 25% em linhas de apoio para agressores que querem ajuda para mudar de comportamento. (...) Também em Espanha houve um maior número de denúncias, na ordem dos 18%, e nos Estados Unidos de 35%, de acordo com a televisão NBC.


A situação em Portugal não tem números claros, mas isso não tranquiliza ninguém. Foram registadas diminuições no número de chamadas para linhas de apoio, o que não é bom sinal também. De acordo com o mesmo jornal, O Governo criou no início do mês "duas novas estruturas temporárias de acolhimento de emergência, com vagas para 100 pessoas, para apoiar vítimas de violência doméstica durante a pandemia de covid-19.". Apesar deste esforço do Estado, cabe-nos a nós também, como cidadãos responsáveis e atentos, agir e denunciar casos de violência doméstica se houver indícios da sua ocorrência na nossa vizinhança. Muitas das vítimas podem não ter forma de comunicar as agressões, tornando esta ajuda crucial para combater o problema. O Crónico deixa aqui algumas linhas de apoio:


Serviço de Informação a Vítimas de Violência Doméstica 800 202 148 (24 horas por dia) violencia.covid@cig.gov.pt Linha SMS 3060 APAV Linha de Apoio à Vítima: 116 006 (dias úteis das 9h às 21h) apav.sede@apav.pt CIG - Comissão para Igualdade de Género 800 202 148 (24 horas por dia) Pode procurar serviços de apoio em qualquer ponto do país em http://www.guiaderecursosvd.cig.gov.pt Associação de Mulheres Contra a Violência (AMCV) 21 3802160 / sede@amcv.org.pt