As contas dos “Três Grandes”

Nos últimos tempos foram publicados os relatórios e contas das sociedades desportivas portuguesas, entre as quais as SADs dos “Três Grandes”, referentes à época 2020/21. Pretendo ao longo deste artigo explicar os resultados financeiros dos três maiores clubes portugueses.

A ordem escolhida é a ordem da classificação do campeonato de 20/21.

de Joaquim Couto


Primeiro parece-me ajustado fazer um enquadramento da gestão dos clubes em Portugal: os clubes que competem em provas profissionais têm de estar obrigatoriamente constituídos enquanto SAD (sociedade anónima desportivas) ou SDUQ (sociedade desportiva unipessoal por quotas). No primeiro caso, o clube detém pelo menos 10% do capital social, no segundo caso o clube é o único dono da sociedade. Os clubes que militam em provas não profissionais também podem estar assim constituídos, mas não são obrigados a fazê-lo.


A Sporting Clube de Portugal- Futebol, SAD apresentou, ao longo da última época, um prejuízo de cerca 33 milhões de euros (contrastando com os 12,5 milhões de lucro de 19/20). A sociedade teve uma variação negativa de 43% do seu volume de negócios, de 175 para 100 milhões de euros.

No que toca aos rendimentos operacionais (sem passes de jogadores) a queda foi pequena, pois a redução das “bilheteiras e bilhetes de época” e do prémio de participação nas provas da UEFA (fruto de uma eliminação muito precoce das mesmas) foi de certo modo compensada por um aumento das receitas televisivas, dos patrocínios e publicidade - e também de outros rendimentos (onde se incluem a cedência do estádio para a realização da fase final da Liga dos Campeões de 19/20).


A grande queda foi nas transações de jogadores. Em 20/21 o Sporting faturou cerca 36 milhões de euros em comparação com os quase 107 milhões do ano anterior, representando uma queda de 67%.


No que toca aos gastos operacionais do clube (sem passes) estes até tiveram uma redução de 107 para 92 milhões, aproximadamente. De destacar a redução significativa nas provisões e imparidades.


O que significa isto?


Provisões e imparidades correspondem a perdas esperadas. Se as perdas esperadas forem de rubricas do ativo então o termo a utilizar é imparidade, se não for estamos perante uma provisão.


Penso ser possível afirmar que este resultado se deve à redução das vendas de jogadores. O Sporting tem uma situação de prejuízo operacional sem transação de jogadores. Na época anterior as boas vendas efetuadas pelo Sporting compensaram e permitiram que a SAD tivesse resultados positivos, algo que não se verificou esta época.


Quanto ao balanço da sociedade a Sporting SAD apresenta valores negativos nos capitais próprios. Um balanço deve ser lido da seguinte maneira: no ativo temos o que a sociedade tem em seu poder. No capital próprio está refletida a parte do ativo que efetivamente pertence à sociedade e no passivo aquilo que a sociedade, apesar de ter em seu poder, deve a terceiros.


O Sporting apresenta uma situação de capitais próprios negativos, ou seja, onde o passivo supera o ativo. Dentro do passivo, o não corrente diminuiu e corrente aumentou. Ou seja, aumentaram os passivos que se esperam que sejam liquidados até ao fim de 12 meses.

Há uma nota que me parece importante acrescentar: em termos teóricos, se a SAD do Sporting vendesse todos os ativos, isso não chegava para pagar todo o passivo. Mas, no futebol, há uma especificidade importante a realçar: um dos ativos mais importantes da SAD, o valor do plantel, dificilmente renderá à sociedade aquilo que está na contabilidade. Valerá, à partida, mais.


Porquê?


Imaginemos um jogador comprado por 10 milhões com contrato de 4 anos. A SAD é obrigada a amortizar o contrato em parcelas iguais durante os 4 anos (neste caso 2,5 milhões por ano). No fim do contrato têm de valer 0. Se ao fim de 2 anos o jogador for vendido, vamos imaginar, por 40 milhões existe uma mais-valia de 35 (40-5) milhões. Por este motivo é esperado que o plantel renda mais à sociedade do que o valor que está inscrito na contabilidade.


Se o jogador for formado no clube então o seu valor contabilístico deve ser o montante de todas as despesas que o clube gastou com ele.